segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

"Vai Trabalhar Hoje Na Minha Vinha"



Ué, eu achava que a Bíblia dizia que todas as profissões são vaidade...

É a livre interpretação que não faz ninguém livre, fazendo todos preconceituosos. Mas evitando a interpretação imediata e permanecendo na palavra de Jesus, no futuro você conhece o significado daquela história sobre os publicanos e meretrizes entrarem adiante deles no reino de Deus, assim como o de muitas outras palavras sobre a natureza da "religião".

A diferença entre o apelo de um proselitista e o de Cristo é que o proselitista irá chamar o camelô para vender cd de música "gospel" e Jesus irá chamá-lo para trabalhar pela sabedoria. O mundo sectário, criado e separado do mundo secular pelo homem, nada tem a ver com o reino pregado por Jesus, que deve ser buscado e achado.

A proposta dos fariseus é pesada aos sinceros; a de Cristo é impossível aos descrentes. O fardo de ter que ser justo possuindo uma falsa sabedoria é insuportável, já que nela não há força alguma.

"sei que em mim não habita bem algum"

Eles sabem que isso está escrito lá, mas a fé (secreta) na natureza humana que impede que conheçam o Bem permanece. Caso contrário, interpretariam, "qualquer de vós, que não renuncia a tudo quanto tem, não pode ser meu discípulo".

Ora, o trabalho em que acreditam continua sendo pela coisa criada; por mais que neguem essa realidade, se Deus não for o Deus do pão, da prata e do ouro, não há por que buscarem-No.

A corrupção é generalizada e qualquer conceito de justificação e marginalização que não seja baseado na análise dessa motivação é mundano e não tem nada de religioso.

É natural que o farisaísmo esteja impregnado na sociedade "cristã".

Tem beberrão que bebe vinho, outro suco de uva.

Ambos olham e veem o mesmo vermelho, nada além.